O Que Você Almoçou Hoje?

Publicado por em jul 12, 2006 em Blog | 10 comentários

A vida tem estado muito corrida, e o tempo para curtir as refeições no estilo do movimento que eu venho coordenando no Brasil tem sido raríssimo. Mas tenho me esforçado para pelo menos fazer escolhas coerentes. Hoje tive um almoço bem no estilo Slow Food, olha só o menu:

  • macarrão integral com pesto de baru feito em casa, usando o baru de pirenópolis (Arca do Gosto) e mangericão agroecológico do assentamento Padre Bernardo (DF), que eu compro no meu local de trabalho ás terças-feiras.
  • salada de rúcula agroecológica (dos mesmos produtores do mangericão) com palmito açaí  da Reserva Extrativista do Rio Cajari (AP), que comprei na Feira Nacional da Agricultura Familiar.
  • Suco de bergamota montenegrina da ECOCITRUS (Cooperativa dos Citricultores Agroecológicos do Vale do Caí – RS), também da Arca do Gosto Slow Food.

E você, o que comeu hoje?

10 Comentários

  1. Bom, Roberta….depois desse banquete, fiquei até sem graça de contar o que comi….mas como estava “a trabalho” almocei onde o pessoal foi e comi o que tinha (“quem não se dobra, se quebra…”). Enfim, almocei arroz, salada de alface e tomate, bife de frango grelhado com queijo…não sei de onde vieram nenhum desses alimentos! Vou tentar comer algo mais apropriado e colocar aqui depois!

  2. Olha, fiquei encantada com esse almoço rico, em todos os sentidos!
    Em casa, desfruto de vários produtos agroecológicos que costumo comprar quando tenho oportunidade. Recentemente fiz ótimas aquisições na III Feira da Agricultura Familiar e Reforma Agrária, porém costumos desfrutá-los nos finais de semana, já que durante a semana não costumo ter tempo de almoçar em casa. Preciso por mais em prática os fundamentos do Slow Food!!!!!!!
    Ontem almoçei sushi… Sinceramente é um prato que a-d-o-r-o! Confesso que desconheço a origem dos ingredientes, mas o prato que comi estava super saboroso.

  3. Oi!

    Hoje ainda não almocei (aliás, será a próxima coisa que farei, estou com muita fome!!!) então falarei meu almoço de ontem.
    Almocei em Piracicaba, na casa de um casal de amogos, Paty e Felipe.

    Comemos espetinhos de proteina de soja com legumes (pimentão, cebola, abobrinha), arroz integral, feijão, e uma bela saladona de rucula, alface, tomate e palmito.

    O arroz é Biodinâmico, do Volkman ( O Felipe se junta com outros pais da escolinha das crianças e todos encomendam diretamente do Volkman, no Rio Grande do Sul). Os outros ingredientes eu desconheço a procedência, mas sei que o Felipe só compra alimentos orgânicos.

    Um abraço fraterno

    Alex 🙂

  4. Roberta, que ótima idéia! Além de estimular o consumo consciente, ou pelo menos a reflexão sobre o nosso consumo, estamos divulgando produtos de boa qualidade, apoiando os produtores e estimulando nossa criatividade para elaborar bons cardápios. Bem, eu tb sempre procuro comprar meu alimento de pessoas que eu conheço e posso saber como são produzidos. Adoro ir a feira e conversar com os produtores, já fiz bons amigos/as assim.
    Ontem nós comemos(eu, meu marido e minha filha, que, para nossa alegria está de férias em casa!): arroz integral(que nós buscamos na máquina de bater arroz do Nélio), couve -flor cozida no vapor, com molho de tahine (produzido pela “Sabor Natural,alimentos naturais”, do Toninho, lá em Ceres-GO(62 – 33074570 begin_of_the_skype_highlighting              62 – 33074570      end_of_the_skype_highlighting), omelete de espinafre com ovos de galinha caipira, comprados da Zélia e do Niltom, e o espinafre tb, salada de cenoura,(da D. Brasília, sogra da Zélia,uma senhora de setenta anos que cuida ela mesma da sua horta e de vez em quando sobe nas árvores pra colher os frutos que ela vende na feira!!!) bem pequenina,ralada com tomatinho do seu Altamiro e ricota que eu fiz em casa com o leite produzido pelo Léo, meu marido,e rúcula, da Zélia tb. Tinha feijão tb, que eu comprei no super mercado e infelizmente sei que ñ é agroecológico, mas o Léo ñ dispensa. Não temos oferta de feijão orgânico em Pirenólois, só azuki.
    A tarde tive uma reunião de trabalho aqui em casa e fiz um lanche pra nós com geléia de cagaita e de tangerina (maravilhosas!!!)do “Promessa de Futuro”(um projeto de agroecologia aqui de Pirenópolis, promessadefuturo@hotmail.com), chimia de pêssego “Sobuck” de guarani das Missões – RS (55- 99577947) que a Roberta comprou pra mim na feira de agricultura familiar,(hum, dos deuses!!!!),ricota e hómus que eu fiz, e chá de vanille do Ceilão da Alter Eco.Pra quem não conhece a Alter Eco é uma organização francesa que trabalha com comércio justo na europa e que agora está está organizando, com produtores brasileiros, uma associação para vender aqui no Brasil(www.altereco.com).
    Bom, talvez vcs digam: “ah, mas morando em Pirenópolis é fácil comer assim!”. Em parte sim, mas hoje temos oferta de bons produtos em quase todos os lugares e dedicar tempo para comprá-los ou prepará-los é uma questão de opção, de escolhas que fazemos todos os dias.

  5. Oi Roberta,

    Adorei a idéia! Falar de comida já é bom, imagina saber a exata trajetória dela. Nos faz pensar em tudo que saboreamos no dia a dia e avaliar a qualidade do que comemos.
    Vou contar o meu almoço de hoje, preparei pensando no que escreveria na página: fiz arroz (tio João heheh) com brocólis (oriundo do mercado de italianos que fica bem pertinho da minha casa), eles compram diretamente dos agricultores que moram nas colônias por aqui. Nesta receita acrescentei curry e fiz mil manobras para temperar. Ficou bom demais! Bom, com isto eu comi uma saladona de agrião, rúcula, tomate e alface. Amanhã vou prestar mais atenção ainda no que comerei. E de preferência vou tentar seguir (na medida do possível) sempre o ritmo “slow food”.

  6. Bom, hoje já é dia 14/07, 0h05, vou me basear nos pratos mais recentes.

    No dia 12, no almoço, tivemos polenta com frango em molho. O frango pelo menos era da Korin, criado sem antibióticos e sem promotores de crescimento pela Fundação Mokiti Okada, em Ipeuna-SP. Eu comi apenas a polenta e o molho, já que estou tentando ficar sem carne, depois que assisti o filme da Fundação Nina Rosa. Na verdade já como pouca carne há algum tempo.

    No jantar tinha um lanchinho inocente, com pão francês, tomate, mussarella e presunto de peru (light) sadia. Mas aí como a polenta e o frango reapareceram na mesa eu experimentei um pouquinho dele, não resisti. Momentos antes, no happy-hour, tomei uma cerveja Caracu, ou melhor, Stout, em homenagem a Roberta.

    Ontem, 13, comecei o dia com bolacha piraquê gergelim, café e mais tarde um iogurte desnatado.

    No almoço, beterraba, vagem com muito alho, arroz e feijão. A sobremesa tem sido pocan (pokã, ponkan??), que é um dos principais produtos agrícolas de Jundiaí nesta época.

    No jantar, quiche de espinafre e um suco de soja e pera. E agorinha, um pouco antes de vir para o computador, uma caneca de leite desnatado e aveia.

    Como viram, não tem nada muito orgânico nem agroecológico e, pior, muita coisa industrializada.

    Só se salvou o frango Korin.

    Esse meu negócio de ambientalista é só fita!

    Paulo

  7. Pois é Rô! O que me assusta não é o que eu comi, mas o que eu vou comer!
    Afinal não basta ter a consciencia, temos q tomar a atitude, e essa falta de opções não facilita em nada as mudanças necessárias.
    Uma coisa é certa, não se pode alcançar a serenidade necessária comendo coisas de procedencia duvidosa.
    Por isso hoje eu vou comer no Vida, como faço 2 ou 3 vezes na semana.

    Beijos.

  8. o que eu comi hoje?

    feijão com farinha de mandioca… (pirão mesmo!)
    nao sei a procedência, aliás sei sim mas nao sei se isso que queres saber… comprei no angeloni feijao da marca biju e a farinha é de garopaba. (hehehe… qta diferença!) aw mas eu tentei! (eu como muita besteira Beta!)

    é, queria eu ter comido a rúcula e o bifinho que eu fiz pros meus amores, mas nem to podendo por causa do aparelho nos dentes.

    e pensar que eu acompanhei esta menina fazendo geléia de pitanga la da praia mole! hummmm…. lembra Beta?

    beijinhos e espero agora pode sempre manter contato!

    Nadi

  9. Depois desse relato, e preciso almoçar mais em casa. Poucas palavras remetem a diversos horizontes. E agora o que fazer? eis a questão.
    Como faço para comprar alguns produtos que vc mencionou? melhor onde e quando?
    Quanto a bergamota, pois é nao sabia o que era. Dei um googleda para solucionar o problema. Sem comentarios. kkkk
    Estou refazendo meu canteiro de hortalicias e ervas em casa ( entende-se apertamento), assim poderei unir o util ao agradavel, plantar e bons alimentos.
    Beijosss millllll

  10. Gostaria que alguém me indicasse onde posso comprar arroz integral cateto vermelho orgânico e feijão orgânico, em local confiável, para uso próprio, moro em São Paulo
    Grata
    Selma

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.