Transgênicos no Supermercado

Publicado por em jun 8, 2010 em Blog | 1 comentário

Não sou ingênua, sei que estamos comendo transgênicos há tempos sem saber, mas confesso que vendo o sinal ali estampado me deu um susto.

No início da minha carreira profissional, trabalhando com rotulagem de alimentos, o supermercado se transformou em importante fonte de informações. E no exterior, a cada lugar novo que eu visitava, sempre dava uma passadinha no supermercado para ler rótulos, ver produtos novos.

Hoje vou pouquíssimo ao supermercado. Faço as compras na feira, direto do produtor, e compro pouquíssima coisa processada. Mas quando a caixa de material reciclável enche, chega a hora de dar uma passada no supermercado, para deixar os recicláveis lá (em Brasília não há coleta seletiva) e comprar as coisas que não se acha na feira.

O hábito de ler rótulos ficou comigo, e trato de fazer da visita algo produtivo. Desta vez vi algo que ainda não tinha percebido: rotulagem de alimentos transgênicos.

Passei somente pela seção dos óleos vegetais. Um litro de óleo vegetal em casa dura mais de um ano, então fazia tempo que não passava por esta seção. Não vi se nas margarinas e nos outros derivados da soja também já tem o mesmo sinal. Nos óleos de milho não tinha. (As fotos foram feitas com o celular).

A rotulagem de alimentos transgênicos no Brasil é obrigatória desde 2003 (Decreto Federal 4680/03), mas fico pensando: eu sou bem informada, tenho o hábito de ler rótulos, e nunca tinha visto um alimento rotulado com o símbolo de transgênico antes. Será que os consumidores em geral sabem que esta rotulagem existe e para que serve?

Um esclarecimento do IDEC, de 2004, é muito útil e continua bem atual. E a lista de notícias do IDEC e do Greenpeace sobre alimentos transgênicos é bastante informativa. O Greenpeace publicou um Guia do Consumidor, mas o mais recente é de 2006. Leia aqui.

Há tempos escrevi sobre a fuga da soja, e continuo de todos os jeitos tentando fugir dela. Não consegui chegar ao crudivorismo, como sugeriu a Ursula. Agora tenho usado o óleo de girassol (afinal, não tenho notícias de girassol transgênico, será que já tem?) e azeite de oliva. Mas no dia-a-dia, comendo fora de casa, com certeza a chance de escolher diminui muito, pois o óleo de soja continua sendo o mais barato do mercado e acredito que a maioria dos restaurantes use.

Será que vou ter que começar a perguntar nos restaurantes que frequento que óleo usam? Existem alternativas de óleo vegetal orgânico produzido por pequenos produtores?

Um Comentário

  1. O programa Cidades e Soluções de ontem (09/06), muito interessante, mostra dados alarmantes sobre os transgênicos no Brasil:
    – o Brasil é hoje o segundo maior produtor de transgênicos, com 21,4 milhões de hectares plantados (soja, milho e algodão)
    – o consumidor desconhece o que são os alimentos transgênicos.

    Veja o programa na íntegra aqui

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.